quarta-feira, 18 de julho de 2007

"Poema Gay" por Glória Horta


"O falo é um fardo o corpo, a farda da farsa, e eu sou o grito, o berro, o urro, o erro minhalma é uma menina e meu corpo uma mentira não sou homem nem mulher um ser que sobra e falta e desencontra num mundo diferente de todos os mundos, o que me conduz é a impossibilidade o que me reduz é a incompreensão olham-me como se eu fosse um bicho de outra espécie e riem e criticam e excluem e odeiam como se eu fosse um pecado, um errado, doente ou sacana. Pobre de nós, mulheres encarceradas em corpo que não é o nosso como uma alma penada sapato apertado que não nos pertence assim eu me sinto cheio de calos, sufocado, asfixiado, apaixonado e o espelho me nega e eu me acho um bicho de outra espécie, pecado, errado doente ou sacana. Ah, mas às vezes eu penso que sou uma mulher enfeitiãda que teve alterada sua forma mas que um dia vai se quebrar o encanto e todo esse engano vai acabar como se eu tivesse sido sempre uma menina encantada.
Que troca de embalagens foi esta aí dos deuses que já me mandaram nascer nesse mundo enjoado com desvantagem encarnando minhalma em corpo errado como se houvesse um corpo de homem sobrando e uma alma feminina condenada? "

By Glória Horta
(Lindo Poema!!!!)

11 comentários:

OdonoDakelCeu disse...

A muito que não lia nada tão bom...
Hipérbole sem duvida...mas muito bom!

Do You Know What Feels Like For A Boy? disse...

É um poema muito interessante e bem produzido...mas eu,como gay, acho q foi um tanto agressivo, considerando q gays não se acham mulheres em corpos de homens, e sim homens q amam e se sentem atraidos por outros homens, sem por isso querer perder sua masculinidade e/ou amor a sua sexualidade.
Obs: Foi apenas uma crítica construtiva!!O poema ainda continua sendo muito bom!!

Edson Luciw disse...

Nossa.....maravilhoso....

Anónimo disse...

não gostei. muito feminino. realmente ta a intender que todos os gays sentem que tem uma mulher presa dentro dentro deles. ou seja. um corpo de homem com alma de mulher. que absurdo e ofensivo

Camille disse...

Vim aqui no intuito, de pesquisar frases oara um trabalho de filosofia do meu colégio, muito bom seu poema, acho que mostra os medos e as angustias ou mais ou menos isso você esta de parabéns! Dei os devidos créditos no trabalho.

Dharma disse...

ola Camile↲antes de mais, muito obrigada pelo comentário. Mas queria esclarecer uma coisa: nao fui eu que escrevi este poema. Por isso os creditos devem ser dados ao autor da obra. O nome está no final do poema. Glória Horta o seu nome. Obrigada e beijinhos.

Alisson disse...

Muito bom...
Parabens pelo post...

João Ludugero disse...

Olá, dê uma passadinha láno meu blog. Adorei seu espaço, voltarei com mais demora para te apreciar. Que bom é está aqui. Voltarei, de certo.
Se puder me adicionar, vou adorar.
Abraço iluminado,
João, poeta.

Glória Horta disse...

Oiê. Escrevi o Poema Gay em meados da década de oitenta. Hoje não escreveria, o que talvez seja uma pena. Os gays não se sentem assim. Não podemos generalizar. Conheço gays bastante masculinos e héteros muito femininos. Mas é o meu poema mais badalado na internet, e olha que tenho uma penca. Legal encontrá-lo aqui. Os poemas são maiores que n´so. Bjks.
www.gloriahorta.net

Jéssyka disse...

Boa noite !

Li seu poema e achei muito lindo, vc tem uma maneira bacana de se expressar, e é exatamente por isso que quero usar o seu poema como epígrafe em minha monografia em um trabalho estudantil universitário.
Obs: Com todo devido crédito é claro.

Agradeço pelo poema, vai ser de grande impacto em meu trabalho em prol dos Gay's.

Tarado Por Maduros disse...

Cara, esse poema faz referência às futuras trans? Foi muito bem produzido, mas há muitos homens que adoram ser homem e amam outros homens!